Empreender em Gastronomia

Empreender em Gastronomia

Precisa de dinheiro e curte cozinhar? Veja dicas de como empreender no ramo da gastronomia sem sair de casa

Hoje em dia existem muitas formas de ganhar dinheiro. Você não precisa mais ter aquele emprego formal de carteira assinada, de oito horas por dia e que enfrente horas no trânsito para ir e voltar. Pelo contrário, o mercado tem cada vez mais aberto espaço para novos negócios e hábitos de consumo.

E na gastronomia não é diferente. Trabalhar com comida pode ser uma opção inteligente para quem está sem emprego ou quer ganhar uma renda extra no final do mês.

Mas não pense que para fazer o negócio deslanchar é suficiente ter familiaridade com a cozinha. Como em qualquer empreendimento, é necessário planejamento, caprichar na divulgação e ainda se atentar às normas sanitárias. Confira algumas dicas de como empreender na gastronomia sem sair de casa!

O que vender?

As opções são inúmeras. Você pode trabalhar com panificação, bolos caseiros, marmitas e congelados. Além disso, pode fazer kits festas (com docinhos e salgadinhos), pratos saudáveis e massas; bem como hambúrgueres, pães de mel e trufas.

Mas você gosta mesmo é de ensinar? Então que tal criar um curso online e vender para as pessoas? Plataformas como a Udemy permitem que você venda cursos online variados, desde a como preparar um risoto de camarão e caldo de legumes como gerenciamento de restaurantes.

E como empreender gastronomia?

Defina o produto

Vai vender pães de mel? Bolos e Tortas? Cervejas artesanais? Massas ou marmitas? Para começar o seu negócio você precisa, antes de mais nada, decidir qual é o produto que irá oferecer.

Planeje

Aqui você precisa pensar de acordo com as regras do mercado. Qual é o seu público-alvo? Existe demanda pelo seu produto? Quanto os clientes estão dispostos a pagar? Onde você fará a produção? Quais ingredientes e utensílios precisa comprar? Quanto será que você consegue vender por dia? Essas são apenas algumas das questões que você precisa pensar antes de colocar a mão na massa.

Pense na embalagem

Sua embalagem é fundamental no seu negócio. Afinal, o produto precisa chegar inteiro. Se for uma marmita, tem que chegar quente. Se for doce, não pode derreter. A apresentação tem que ser impecável. E é por isso que cada produto requer um tipo diferente de embalagem.

Quando o prato tem muitos elementos, é interessante que você tenha espaços diferentes para conseguir separar todos eles. Por exemplo, ao invés de colocar um bolo red velvet na mesma embalagem que o seu cookie de baunilha, que tal deixá-los separados, para valorizar o sabor de cada um? Ou então deixar o a salada separada do prato principal?

E o material da embalagem? Vai ser plástico, papel, alumínio? Tudo isso deve ser pensado para levar a melhor experiência ao seu cliente. Outra dica é colocar o nome do produto em cada embalagem para a identificação. Além disso, inclua o prazo de validade e um telefone para contato.

Gasto para produzir

Já que você já tem ideia do quanto você consegue vender por dia, você pode começar a calcular quanto irá gastar para a produção. Pense nos ingredientes e utensílios que você irá comprar; assim como no gasto com as embalagens e transporte para a entrega. Pense no tempo de produção e na sua mão de obra. Com toda a certeza isso te ajudará a escolher o preço final do seu produto.

Como o produto será entregue?

Você mesmo vai levar o produto até o local? Se sim, irá de ônibus? Metrô, carro? Vai pagar um motoboy? Cada opção tem um gasto a mais no preço da sua produção.

Legalize-se

Não se esqueça de abrir uma MEI (Microempreendedor Individual). Isso te dá algumas vantagens, como principalmente o direito à previdência social e modelo simplificado de tributação. Além disso, te dá direito a inscrição no CNPJ sem custo e sem burocracia, possibilidade de emitir nota fiscal, entre outros.

Obtenha licenças sanitárias

Esse é outro ponto importante para quem quer trabalhar com comida. Na cidade de São Paulo, você precisa ter o Cadastro Municipal de Vigilância em Saúde (CMVS), um registro de identificação do estabelecimento e equipamentos no órgão de vigilância em saúde do município. Cada lugar vai ter suas normas de Vigilância Sanitária. Por isso, fique de olho! Dependendo de onde você mora, se for vender em regiões públicas é preciso conseguir outro tipo de autorização, que varia conforme o lugar.

Mão na massa

Já tem as ideias, o planejamento e os documentos em ordem? Então mão na massa! Uma dica é fazer alguns testes com o seu produto, convidando algumas pessoas para experimentar tudo antes de você começar a vender, para poder aperfeiçoar. O erro de fato leva à perfeição!

Aposte nas redes sociais!

A divulgação é peça-chave. É dessa forma que as pessoas vão ficar sabendo do seu trabalho, e o negócio ganhará proporções cada vez maiores. O Instagram é uma das melhores opções atualmente. Nele, você consegue adicionar uma loja no seu próprio perfil, e as pessoas conseguem ver quais são os seus produtos e comprar direto por lá! Além disso, você pode colocar fotos e vídeos, além de interagir com os seguidores e sanar eventuais dúvidas e problemas.

Além disso, você também pode apostar no Facebook, no WhatsApp e, claro, no seu próprio site!

E aí, gostou dessas dicas sobre como empreender na gastronomia? Não se esqueça de compartilhar esse post com seus amigos pra ajudar na divulgação do blog!


Leia também: Comida criativa

Website | + posts

Criadora e redatora do Mulheres na Gastronomia! Sou estudante do terceiro ano de jornalismo da Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo. Embora não tenha muito sucesso em minhas experiências dentro da cozinha, tenho uma paixão imensa por saborear os melhores pratos e contar histórias. Então, nada melhor do que juntar essas paixões em um mesmo lugar, trazendo pautas diferentes e interessantes, sempre com muita diversidade e diálogo.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *