Nem bar, nem restaurante

Nem bar, nem restaurante

De livros de direito a preparos deliciosos, Monique Ranauro comanda o primeiro Gastrobar de Nova Iguaçu, RJ.

O Gastrobar não é nem bar, nem restaurante. Isto é, é definido como um local com uma proposta de agregar elementos sofisticados, acessíveis e contemporâneos. Um serviço que une o melhor dos dois mundos: a comida e a bebida. Em um ambiente descontraído, oferece a alta gastronomia de restaurante a preços não muito caros, típico dos bares, bem como petiscos e drinks.

A moda já existe na Europa há mais de duas décadas e, eventualmente, espalhou-se pelo mundo até chegar ao Brasil. Na cidade de Nova Iguaçu, localizada no Rio de Janeiro, o conceito foi introduzido em 2017, com a criação do Ranauretto, primeiro Gastrobar da região.

O estabelecimento é comandado pela carioca Monique Ranauro, de 33 anos. Criada em Nova Iguaçu, a 28 km da capital, seu primeiro contato com a cozinha foi com a avó, Jordelina, aos sete anos. “O cheiro do tempero me deixava apaixonada e eu sempre estava por perto dela, curiosa, perguntando tudo”, conta. Cresceu querendo ser cozinheira, sobretudo com o sonho de abrir um restaurante e uma padaria.

Todavia, formou-se em Direito pela Universidade Iguaçu, e especializou-se na área trabalhista. Nesse período, a cozinha era apenas um hobby, de tal forma que o anseio pela carreira gastronômica ficou em segundo plano, atrás da advocacia. Tudo mudou quatro anos atrás, quando Monique e seu marido, Marcos, perderam seus empregos. Se rendeu ao amor pela gastronomia e resolveu seguir a carreira de chef profissional.

Fez cursos no Instituto Gastronômico das Américas e na Le Cordon Bleu Brasil, onde pôde especializar seus conhecimentos e aprofundar-se na profissão. Recentemente, decidiu investir em seu próprio restaurante, inaugurado em Novembro de 2017.

“O Ranauretto surgiu do meu coração, é uma ideia de menina”, comenta. No início, poucos clientes entendiam a proposta do lugar, pois ainda não havia nenhum Gastrobar no município. Os primeiros meses foram marcados por um espaço vazio, à beira do fracasso. Entretanto, o amor pela profissão não deixou com que Ranauro desistisse. Eventualmente, os fregueses começaram a entender o conceito do estabelecimento, onde encontraram um cardápio saboroso e diversificado.

As refeições preparadas têm influência da Itália, com pratos típicos do país europeu, como risotos e as famosas bruschettas. Por outro lado, a chef reconhece que sua especialidade é de fato a cozinha brasileira. Os pratos trazem elementos de Minas Gerais, terra de sua avó, homenageada com combinações deliciosas e surpreendentes. O croquete de costela empanado na farofa de torresmo, o arroz negro Al Mare e o hambúrguer de frango caipira são os pratos de maior sucesso. “Aqui no Ranauretto é tudo bem brasileiro-italiano”, expõe.

Questionada sobre o machismo vivenciado durante sua trajetória, Ranauro confessa que já chegou a ouvir brutalidades. Contudo, determinada e perseverante, afirma que não se permite sofrer qualquer tipo de preconceito: “Sofri, mas respondi à altura e, honestamente, não me deixo calar. Se me fecham a porta, eu a abro na marra! Permaneço de cabeça erguida, fazendo o meu trabalho”.

Quando o assunto é criar novas receitas, a chef admite que o processo ocorre facilmente, ao passo que as ideias fluem com tranquilidade. “Costumo dizer que fui agraciada pelos meus Orixás!”, brinca. Para a elaboração dos pratos, busca referências de sua infância. Em Julho de 2019, com o objetivo de continuar divulgando o seu trabalho, Ranauro criou um canal no Youtube chamado Cozinheira é a Mãe!. Nele, a chef compartilha algumas de suas receitas preferidas e mostra o prazer que tem pela gastronomia.

O público do Ranauretto é majoritariamente formado por moradores do Rio de Janeiro. No entanto, a chef já recebeu turistas dos Estados Unidos, da Itália e França. Todos os clientes são recebidos com respeito pela profissional, que faz questão de que seu serviço esteja apropriado e a refeição, saborosa.

Atualmente, Ranauro está focada em continuar cozinhando. “Minha missão é levar amor através do alimento. Eu sempre digo que o mundo vai conhecer o meu tempero”, revela. A ideia é continuar trabalhando no restaurante, aprendendo cada vez mais e expandindo sua gastronomia para que possa, no futuro, abrir o Ranauretto no mundo todo.


Encontre:

Instagram Ranauretto: @ranauretto 

Instagram Monique Ranauro: @moniqueranauro

Facebook: Ranauretto

Localização do Shizen: Av. Dr. Mario Guimarães, 759 – Centro, Nova Iguaçu – RJ, 26255-230

Atendimento: Terça à domingo, das 19h à meia noite.


Foto destaque de: Vitor Tatagiba

Fotos dos pratos de: Monique Ranauro

Post anterior: Fusão de Culturas

Website | + posts

Criadora e redatora do Mulheres na Gastronomia! Sou estudante do terceiro ano de jornalismo da Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo. Embora não tenha muito sucesso em minhas experiências dentro da cozinha, tenho uma paixão imensa por saborear os melhores pratos e contar histórias. Então, nada melhor do que juntar essas paixões em um mesmo lugar, trazendo pautas diferentes e interessantes, sempre com muita diversidade e diálogo.



4 thoughts on “Nem bar, nem restaurante”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *