Pilão: um instrumento ancestral!

Pilão: um instrumento ancestral!

Especializada em cozinha diaspórica africana pelas Américas, Aline Chermoula explica as origens do Pilão, típico da gastronomia africana

Originário da África, o pilão (ou almofariz) é utilizado há centenas de anos para triturar, amassar e moer, ou seja; para pilar alimentos e transformá-los em algo novo. Historicamente, os pilões da África são grandes e podem ser utilizados por várias pessoas ao mesmo tempo, com o intuito de moer grãos.

Em nosso  dia a dia, o pilão pode ser um grande aliado para criar preparos muitos saborosos. Enquanto na África as mulheres que pilam fazem isso ao ritmo de uma
música característica, que marca as batidas no pilão.

Como utilizar o Pilão?

O uso do pilão pode mesmo gerar dúvidas, mas basta colocar o que você deseja moer e segurar o pilão com uma mão enquanto a outra amassa os ingredientes. Escolha a mão com maior controle para pilar e segure com a outra o recipiente, procurando tapar a boca do pilão para que os ingredientes não vazem.

Em primeiro lugar, comece moendo os itens mais densos para depois unir à mistura os temperos que se desfazem facilmente. Por último, são colocados os temperos em pó – como o curry, a pimenta e o sal – para se juntarem à pasta formada anteriormente pelos temperos moídos.

Vídeo: Tv Quilombo Rampa

Pilão de Pedra

O pilão de pedra é um utensílio chave nas cozinhas tradicionais do campo e da cidade, amplamente utilizado no preparo de receitas. Hoje em dia, além de sua função na gastronomia, o pilão de pedra também cumpre função decorativa na cozinha, trazendo um toque rústico e natural.

Tipos de Pilão de Pedra

Os modelos mais comuns são feitos de mármore, pedra sabão e granito. O pilão de mármore e o de pedra sabão se destacam pela excelente resistência e durabilidade. Se manuseados com o devido cuidado, podem se transformar em verdadeiras relíquias de família. Já o pilão de granito é uma alternativa de utensílio de cozinha elegante e, acima de tudo, atemporal, ideal para quem deseja trazer um toque de requinte e estilo ao preparo de receitas.

Vídeo: Tv Quilombo Rampa

Pilão de Pedra na Gastronomia

A função do pilão de pedra é, principalmente, a de recipiente para macerar ou socar alimentos. Grãos, ervas, frutas e temperos são alguns dos exemplos de alimentos comumente preparados no pilão. Diferente do pilão de madeira, o pilão de pedra não tende a se impregnar com o aroma e sabor dos alimentos e por isso pode ser utilizado no preparo de todos os tipos de receitas desde que seja lavado imediatamente após o uso. O uso do pilão de pedra é uma alternativa artesanal ao triturador de alimentos. A maceração traz um toque caseiro aos pratos e viabiliza a preparação de temperos, sopas, caldos e sobremesas com o toque inconfundível de comida de interior.

Aline Chermoula: Temperos e Combinações

  • Alho e sal: fica muito melhor do que aqueles que vêm prontos. Basta moer os dentes de alho e, em seguida, acrescentar o sal.
  • Molho pesto: feito tradicionalmente com manjericão, o molho pesto pode ganhar uma nova roupagem com coentro. Basta misturar uma castanha e um dente de alho às folhas (um maço) e amassar. Quando estiverem bem moídos, misture uma pitada de sal e azeite suficiente para dar consistência. A receita completa do Pesto de Coentro da Aline Chermoula está disponível aqui!
  • Tempero baiano leva uma colher de sopa de cominho em grão, uma colher de sopa de semente de coentro e uma colher de sopa pimenta do reino em grão. Logo após de moer, torre em uma frigideira por 2 minutos antes de usar.

Deu água na boca? Então não perca tempo e adicione à sua cozinha um pilão e novos temperos!


Fotos: @jhonnybrasil

Aline Chermoula: @alinechermoulaoficial

Post anterior: Le Plat du Jour

Alice Chermoula. Foto: @jhonnybrasil
Aline Chermoula

Aline Chermoula é chef, pesquisadora e especialista em cozinha afro-ameríndia-americana. Natural de Feira de Santana, BA, criou o Chermoula Cultura Culinária, um buffet de culinária da Diáspora Africana pelas Américas, cujo objetivo é, principalmente, trazer uma cozinha de resistência e ancestralidade, repleta de cores, sabores e aromas incríveis. Por meio dos preparos, ela resgata a identidade da cozinha diaspória, utilizando ingredientes africanos que chegaram no Brasil.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *